Siga por e-mail

terça-feira, 27 de março de 2012

O AMOR UNIVERSAL




O AMOR UNIVERSAL


P – Observamos que a Revelação do Novo Mandamento aclara, de modo extraordinário, o entendimento das Sagradas Escrituras. Como o CEU da LBV define a Caridade, como a entendia Jesus?
R – Sem o Novo Mandamento não teriam mais sentido as Escrituras, na Era Apocalíptica. Ele é TODA A CARIDADE, porque é o Amor Universal acima de todas as concepções mesquinhas, dos homens e credos sectarizados. Não é só benevolência para com todos, indulgência para com as imperfeições humanas e perdão das ofensas. É como afirma o próprio Cristo: “Ninguém tem maior amor do que este – DAR A SUA PRÓPRIA VIDA PELOS AMIGOS E PELOS INIMIGOS”. Esta é a significação rela do seu “Amai-vos uns aos outros, como Eu vos amei”; esta é a Caridade autêntica do Novo Mandamento, como Quarta e Última revelação deste fim de ciclo. Aprimora e supera os dois grandes mandamentos da Lei de Moisés: “Amar a Deus e ao próximo como a si mesmo”. Por isso conclui Jesus: QUEM CUMPRE O MEU MANDAMENTO NÃO MORRERÁ MAIS – JÁ PASSOU DA MORTE PARA A VIDA.



P – Como devemos considerar a esmola?
R – O verdadeiro cristão, que vive a Caridade do Novo Mandamento, vai ao encontro dos caídos na desgraça, sem esperar que lhe estendam a mão. E o faz no cumprimento de um dever, sem esperar recompensa, como ensinou o Mestre: “Que a mão esquerda ignore o que dá a direita”. Basta que Deus saiba.

P – É natural o direito de possuir bens de fortuna?
R – Sim, quando isso é feito dentro da Lei Divina, em benefício da Humanidade. Deus Todo-Poderoso tem todos os bens, todas as fortunas do Universo, e distribui tudo com TODOS OS SEUS FILHOS. A estes cabe compreender.

P – Qual é o caráter da propriedade legítima?
R – Só a legítima propriedade que se adquire pela inteligência e pelo trabalho, sem prejuízo de outrem.

P – À parte certos defeitos e vícios, qual o sinal mais característico da imperfeição do homem?
R – O apego extemado às coisas materiais, causado pelo egoísmo sem limites, pelo interesse pessoal exclusivista, tal é a marca da inferioridade do homem.

P – Encontra-se em grau de adiantamento quem faz o bem pelo prazer de amar a Deus e ao próximo, desinteressadamente?
R – Sim, é bem mais evoluído que aquele que faz o bem alculado, não por impulso natural do coração.

P – Há culpabilidade em estudar e criticar os defeitos alheios?
R – Se isso é feito com o objetivo de humilhar a sagrada pessoa humana, há muita culpabilidade. Mas, se isso visa a que outros não caiam nos mesmos erros, pode ser útil. É preciso, porém, muito cuidado, como adverte o Senhor: “Não julgueis, para não serdes julgados”. Só mesmo Deus pode julgar a cada um de seus filhos.

P – Pode o homem, pelos seus esforços, vencer suas más inclinações?
R – Sem dúvida, o homem que se dispões a isso, é sempre ajudado pelos bons Espíritos. Geralmente, o que lhe falta é Boa Vontade.

P – Entre os defeitos, ou imperfeições da alma, qual o que pode ser considerado principal?
R – O egoísmo, a marca inconfundível da ignorância espiritual. Do egoísmo é que provém todos os males. Estudando as imperfeições em geral, vemos que – no fundo de todas elas – reside o egoísmo, sempre incompatível com a Justiça, o Amor e a Caridade.

P – Qual o meio de destruir o egoísmo?
R – O egoísmo diminui com o esclarecimento espiritual, com o predomínio da vida moral sobre a vida material. E desaparecerá com o conhecimento, que o Espírito da Verdade traz, sobre o estado futuro, real, da criatura humana depois da morte, sem as fantasias, ou ficções alegóricas, da falsa religião. Desde que sejam bem compreendidas, as Quatro Revelações solucionam os problemas humanos e sociais, fazendo com que o personalismo desapareça na grandeza do conjunto.

P – Quais são as verdadeiras características do homem de Bem?
R – O verdadeiro homem de bem é o que – com Boa Vontade – pratica as leis divinas, vivendo o Novo Mandamento de Jesus. É aquele que, interrogando sua consciência, sente-se desobrigado das más ações, tais como ter violado a Lei de Deus, ter procedido mal, ter deixado de fazer todo o bem possível, ter dado motivo a que se queixem dele e, enfim, ter deixado de fazer aos outros tudo o que desejaria que lhe fizessem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário