Siga por e-mail

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

CÂNTICO DE SIMEÃO // O MENINO JESUS

CÂNTICO DE SIMEÃO


P – A restauração da Verdade, nos Quatro Evangelhos de Jesus, é a obra mais importante do mundo, para a unificação de todos os cristãos. Qual a explicação do CEU da LBV, para os versículos 25 a 35, Capitulo Segundo, do Evangelho de Jesus segundo Lucas?

R – Eis a passagem evangélica:

25 – Havia em Jerusalém um homem justo e temente a Deus, chamado Simeão, que vivia à espera da consolação de Israel, e o Espírito Santo estava nele. 26 – Pelo Espírito Santo lhe fora revelado que não morreria antes de ter visto o Ungido do Senhor. 27 – Impelido pelo Espírito, foi ao templo e, como os pais do menino Jesus o tivessem levado lá, a fim de o submeterem ao que a lei ordenava. 28 – Simeão o tomou nos braços e louvou a Deus, dizendo: 29 – “Agora, Senhor, deixas partir o teu servo em paz, segundo a tua palavra, 30 – pois meus olhos viram o Salvador que nos dás, 31 – e que fizeste surgir à vista de todos os povos, 32 – como luz a ser mostrada às nações e para glória de Israel, teu povo”. 33 – O pai e a mãe de Jesus se admiravam das coisas que eram ditas de seu filho. 34 – Simeão os abençoou e disse à Virgem Maria: – “Este menino vem para ruína e ressurreição de muitos em Israel, e também para ser alvo da contradição dos homens. 35 – E a tua alma será transpassada como por uma espada, a fim de que os pensamentos ocultos nos corações de muitos sejam descobertos.

Simeão, homem justo e temente a Deus, vivia a espera do Cristo predito e prometido. Estas expressões: “O Espírito Santo estava nele” – “pelo Espírito Santo lhe fora revelado” – impelido pelo Espírito”, eram, como sabeis, típicas do linguajar hebraico. Já o explicamos: para os judeus, tudo o que resultava de uma inspiração e que eles não compreendiam, era feito pelo Espírito Santo. Quer dizer: do ponto de vista em que se achavam era o Espírito do próprio Deus a animar e inspirar os homens. Simeão recebeu do seu Anjo da Guarda a inspiração (é o que, na vossa linguagem humana, chamais de pressentimento) de que não morreria antes de ver o Cristo de Deus. Por efeito dessa inspiração houve, de sua parte, intuição e convicção. Daí ser impelido a ir ao templo, onde – esclarecido pela mesma inspiração – tomou nos braços o “menino Jesus” e logo o proclamou o Salvador esperado, pronunciando as palavras do cântico. E, porventura, não se cumpriram as palavras proféticas do inspirado Simeão? Jesus não foi exposto no Gólgota para aquele tempo e para o futuro, até ao fim dos séculos à contemplação de todos os povos, como a luz que havia de iluminar e ilumina todas as nações? Não foi exposto pelos Apóstolos e discípulos à contemplação de todas as gentes até aos vossos dias? Não o vai ser ainda, e cada vez mais, pelo Espírito da Verdade, até que o Cristo reine sobre todos? Estas outras palavras de Simeão, falando a Jesus: “como luz a ser mostrada às nações e pra glória de Israel” – se referem, no seu sentido oculto, em espírito e verdade, à satisfação imensa que experimentará o povo de Moisés por ter sido escolhido pelo seu monoteísmo – para receber esse penhor de redenção. Porque, desde então, Israel significa toda Humanidade. O cântico se aplica aos séculos vindouros, não só à época  em que Simeão falava: aplica-se, também, à vossa época, ao ciclo apocalíptico final. Quando a luz do Cristo se houver espalhado por toda a terra, os judeus se lembrarão de Moisés e das palavras de Simeão, felizes por terem sido o primeiro facho de onde ela se espargiu. Embora, a princípio, tenham colocado a luz de baixo do alqueire, nem por isso será neles menos vivo o SENTIMENTO DA GRATIDÃO. Essa hora está próxima, basta apenas aguarda-la. As últimas palavras do cântico: “Este menino vem para a ruína e ressurreição de muitos em Israel, e também para ser alvo da contradição dos homens”, representam no seu sentido oculto, também em espírito e verdade, previsão das querelas religiosas quanto a Jesus, sua origem e sua natureza; quanto ao seu aparecimento e à sua passagem pela Terra; quanto à sua posição com referência a Deus, ao vosso planeta e à Humanidade terrestre; quanto aos seus poderes e à sua autoridade espiritual. Aludem, sobretudo, à oposição feroz que as “figuras notáveis” de Israel moveram contra a Doutrina do Mestre. Na verdade, tais querelas continuaram pelos tempos adiante, e ainda se fazem sentir nos vossos dias. Ora, para aqueles “notáveis” de então, Jesus foi, realmente CAUSA DE RUÍNA porque eles tiveram de expiar, em dolorosas reencarnações, o orgulho, a cupidez, a ambição desenfreada, todas as paixões más que os dominavam. E não só para os romanos, mas também para os israelitas, Jesus foi, é e será, POR ALGUM TEMPO AINDA, causa de ruína. Todos OS QUE REPELIRAM, E Hoje teimam em repelir, sua Doutrina de Verdade encerrada em seu Novo Mandamento, tanto na ordem material, quanto na ordem moral e intelectual, encontrarão nele a causa de sua ruína. Em tal caso, Jesus é o obstáculo imprevisto, de encontro ao qual todos eles terão de esbarrar. Mas a culpa daquele que repele a Lei do Cristo, por não a ter compreendido bem (muita vez por não lhe ter sido bem ensinada), não pode ser considerada tão grave quanto a daquele que CONHECEDOR DO SENTIDO PROFUNDO DESSA LEI o desnatura ou obscurece, a fim de manter as almas subjugadas! Para os que caminhavam nas trevas e que, com alegria, se dirigiram para a luz, Jesus foi, é e será sempre, uma CAUSA DE RESSURREIÇÃO. Esses ressuscitaram. Ressuscitaram no sentido de que, deixando de permanecer no estado de degradação, que os distanciava do céu a que aspirais, entraram no caminho da Verdade e do Progresso, que rapidamente conduz à felicidade espiritual. Estavam mortos, visto que a existência para eles só tinha uma saída – o sepulcro. Ressuscitaram transpondo as portas do túmulo, voando para o seu Criador ao impulso da Fé, da Esperança e da Caridade. Finalmente as palavras de Simeão à Virgem Maria: “E a tua alma será transpassada como por uma espada, a fim de que os pensamentos ocultos nos corações de muitos sejam descobertos”, fazem alusão à morte de Jesus, o que foi, humanamente uma grande dor para ela, e – por outro lado – motivo para profissão de fé e deserção vergonhosa de muitos. Sim, a morte de Jesus foi, humanamente, uma grande dor para Maria. Ela estava convencida do futuro brilhante do Filho de Deus, Salvador do Mundo; mas em virtude das crenças que devia ter (e tinha), sofreu humanamente pela morte do filho, que acalentara nos braços, com tanto amor, e cujos progressos acompanhara, admirando-o e adorando-o pelas suas obras.


O MENINO JESUS


P – Como explica o CEU da LBV os versículos 36 a 40, Capitulo Segundo, do Evangelho de Jesus segundo Lucas?

R – Esta é a passagem:

36 – Havia, também, uma profetisa chamada Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser. Estava em idade muito avançada, e não vivera senão sete anos com o marido, desde que se casara. 37 – Era, então, viúva, contava oitenta e quatro anos e não se afastava do templo, servindo a Deus, dia e noite, em jejuns e orações. 38 – Chegando ao templo naquele instante, pôs-se a louvar o Senhor e a falar do menino a quantos esperavam a redenção de Israel. 39 – Depois de terem cumprindo tudo o que era ordenado pela lei do Senhor. José e Maria regressaram à Galiléia, indo para Nazaré, sua cidade. 40 – E o menino crescia e se fortificava, cheio de sabedoria, porque nele estava a graça de Deus.


Fala o Espírito da Verdade: – Ana era médium audiente e falante. Era chamada profetiza porque possuía, sob a influência e a proteção dos Espíritos do Senhor, a faculdade de predizer certos acontecimentos. Era um Espírito elevado, muito desenvolvido mediunicamente, como os profetas que apareceram em Israel. O povo, como sabeis, considerava os profetas como inspirados, mesmo pelo Altíssimo. Na realidade, eram médiuns. As palavras de Ana foram semelhantes às de Simeão. Quanto ao versículo 40, deve permanecer no lugar que ocupa: nenhuma relação tem com ambos os cânticos. Ele se aplica à época que se seguiu à apresentação no templo. Jesus, estando fora da vossa humanidade, não teve uma infância semelhante a de todos vós, por isso que seu corpo, não sendo mais que um perispírito quase material, com a aparência da corporeidade humana, encobria (dada a sua natureza puramente perispirítica) UM ESPÍRITO PERMANENTEMENTE LIVRE. Ele, portanto, agia sob a influência desse Espírito, de um modo sempre superior a tudo o que se possa esperar do menino mais desenvolvido. “O menino, diz o Evangelista, crescia e se fortificava, cheio de sabedoria, porque nele estava a graça de Deus.” Isso não é mais do que a apreciação humana, que a narração evangélica havia de refletir (e reflete). Tendo a aparência humana, o corpo de Jesus seguia, aos olhos dos homens, a linha de desenvolvimento de qualquer terrícola, MAS SEMPRE EM CONDIÇÕES DE ABSOLUTA PRECOCIDADE. Jesus, para os homens, crescia corporalmente, e a sua inteligência se desenvolvia. Tais progresso e desenvolvimento, na humanidade, podem ser acompanhados, observando-se uma criança. Perguntamos: não há na Terra algumas, entre muitas da mesma idade, por menor que seja esta, mais fortes e inteligentes? Como não ser assim com relação àquele em que não havia mais que a APARÊNCIA DA INFÂCIA? E não é compreensível que seus primeiros passos no mundo que habitais – assim como todo o resto da sua passagem por ele – tivessem a marca-los um cunho particular, excepcional? E “nele estava a graça de Deus” porque, sendo tudo nele puro e santo, santos e puros haviam de ser (foram) todos os seus atos e palavras. Na sua primeira “infância”, aos olhos dos homens, ele esteve isento, como podeis facilmente concluir, das faltas e fraquezas da infância humana. FOI PERFEITO DESDE OS PRIMEIROS INSTANTES, e isso, naturalmente, provocou em todos admiração e espanto. Porque todos sentiam, sem o saber explicar, o “toque divino” no Menino Jesus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário